InícioInício  GaleriaGaleria  Registrar-seRegistrar-se  Login    
Compartilhe | 
 

 Divórcio: como contar às crianças pequenas

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Forum Divorcio
Admin
Admin


Feminino
Número de Mensagens: 736
Idade: 42
Data de inscrição: 13/06/2008

MensagemAssunto: Divórcio: como contar às crianças pequenas   Qua Set 09, 2009 12:33 am

Como têm surgido bastantes dúvidas sobre a forma como comunicar às crianças pequenas o divórcio dos pais, resolvi transcrever para aqui, na íntegra, um texto da psicóloga Cláudia Morais acerca desta questão. Espero que ajude.

Qualquer processo de divórcio é mais doloroso quando há filhos. À perda e ao luto característicos da separação conjugal junta-se a angústia de ter que comunicar a decisão às crianças. Quando estas são muito pequenas, o casal pode sentir algumas dificuldades: a vontade de as proteger dos efeitos nefastos da separação pode levar ao adiamento sucessivo da “Conversa”. O que dizer? E como fazê-lo? Qual a melhor forma? Existirá, afinal, uma forma ideal?

Antes de mais, e sem rodeios, é importante assumirmos que este é um passo difícil, tanto para os pais, como para as crianças. Não há forma de o tornar indolor. No entanto, há algumas variáveis que podem facilitar ou dificultar o processo. Já tive oportunidade de referir aqui o exemplo de uma criança que descobriu que os pais se iam separar antes de estes fazerem a comunicação oficial. Esta ilustração permite perceber o quão importante é comunicar a decisão atempadamente às crianças.

Se a separação ainda não é uma certeza, isto é, se o casal está temporariamente separado ou se já houve outras saídas de casa antes, é contraproducente dizer aos filhos que os pais se vão divorciar. É importante que as reacções geradas por impulso sejam devidamente ponderadas, para que a precipitação dos adultos não magoe as crianças inutilmente.

Por outro lado, a partir do momento em que o divórcio é uma certeza, os pais devem preparar-se para contar aos filhos. As crianças confiam plenamente nos pais e, se perceberem que estes estão a esconder-lhes a verdade, sofrerão sozinhas e tenderão a confiar muito menos nos adultos em geral.

O facto de as crianças, nomeadamente as crianças pequenas, não se pronunciarem em relação ao tema não quer dizer que não saibam de nada. Nalguns casos as crianças decidem cooperar com o “jogo”, respeitando o silêncio dos pais. Percebem que o assunto é melindroso e adoptam uma postura protectora: se os pais não falam, elas também não. Este sofrimento solitário pode traduzir-se em reacções muito diferentes:

- Há crianças que se portam excepcionalmente bem, achando que detêm alguma culpa nesta desgraça;
- Outras manifestam a sua tristeza através de “dores de barriga”, birras inesperadas ou resistência à escola;
- Algumas crianças tentam “proteger” o progenitor que é visto como mais fraco – o que chora mais, o que foi traído, ou o que se mostra mais abatido com a separação.
- Também há crianças que “fogem” do assunto como quem foge do monstro papão.

Por isso, é importante que os pais se organizem em nome do bem-estar dos filhos e… CONTEM A VERDADE. Idealmente, “a” conversa deverá ocorrer quando todos os membros da família estiverem presentes. Claro que isto nem sempre é possível. A mágoa e o ressentimento podem impedir o casal de viver esta etapa a dois. Se tal não for possível, é importante que ambos digam mais ou menos a mesma coisa em momentos distintos.

Quanto mais novos forem os filhos, maior a necessidade de sentirem a segurança das decisões dos pais. Daí que seja importante contar-lhes as mudanças que aí vêm. Por exemplo, as crianças estão cada vez mais familiarizadas com processos de divórcio e podem conhecer casos de amiguinhos que tiveram que ir morar para longe por causa disso, ou que deixaram de contactar regularmente com um dos progenitores. Mas isso não quer dizer que estes medos sejam expostos claramente. Cabe aos pais tentarem antecipar estas dúvidas.

Isto também não quer dizer que a conversa só deve ocorrer quando todas as decisões de ordem prática estiverem tomadas! O essencial é transmitir aos filhos a ideia de que os pais serão capazes de resolver todas as questões, mesmo as mais delicadas. Assim, as perguntas mais polémicas não devem ser seguidas de “Não sei” mas de “Ainda não decidimos, mas vamos conversar sobre isso”, por exemplo.

Esta conversa (ou estas conversas…) deve(m) servir para lembrar às crianças que ELAS NÃO TÊM CULPA NENHUMA do que está a acontecer. Não vale a pena pensar que esta ideia é ridícula, ou que os “nossos” filhos não se lembrariam de tal coisa. Mais vale prevenir!

E por que não antecipar outros medos legítimos? Garantir às crianças que os dois progenitores vão continuar a acompanhá-las é um pilar fundamental. Mais do que nunca é importante assegurar-lhes que ambos vão marcar presença nas suas rotinas e nas diferentes actividades que compõem as suas vidas – escola, actividades de tempos livres, idas ao médico, mas também as refeições, a hora do deitar e a “ronha” em frente à televisão. O facto de os pais já não conseguirem viver juntos não deve implicar que os filhos percam o contacto regular com um deles, já que isso prejudicaria o seu desenvolvimento.

Já agora: as crianças pequenas podem sentir alguma dificuldade em lidar com os sentimentos contraditórios dos pais. Assim, é preferível dizer-lhes que “os papás já não conseguem viver juntos” em vez de dizer que “já não gostam um do outro da mesma maneira” ou que “já não gostam um do outro como namorados”.


http://apsicologa.blogspot.com/

_________________
A Administradora,
Ana Leandro
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
tounessa



Masculino
Número de Mensagens: 2288
Idade: 59
Data de inscrição: 12/10/2008

MensagemAssunto: Re: Divórcio: como contar às crianças pequenas   Dom Maio 01, 2011 10:24 am

DESENHOS DE CFRIANÇAS SOBRE O DIVÓRCIO



“ … Raiva, tristeza e medo. São essas as principais mensagens dos miúdos norte-americanos nos desenhos enviados para o site Postcards from Splitsville (postais da cidade do divórcio). Criado em 2007 por Kara Bishop, uma designer gráfica que dá apoio a crianças de pais divorciados, numa organização de voluntários, o site quer mostrar o que os filhos sentem depois da separação.

A ideia surgiu numa das sessões de terapia da Divorce Recovery, a organização de voluntários de Tucson, no Arizona. Kara Bishop trabalha com um grupo de crianças entre os 10 e os 12 anos. “Comecei quando o filho de um amigo foi acusado de ser traidor por querer passar tempo com o pai”, diz Kara Bishop à SÁBADO. Uma vez pediu aos miúdos para desenharem num papel o que sentiam em relação ao divórcio. Os desenhos impressionaram-na. Estava lá tudo. A raiva das discussões, a confusão por terem de escolher entre o pai ou a mãe e o medo de perderem um deles.

Para a psicóloga clínica Rita Ribeiro, a perda do afecto é o maior receio dos filhos nos divórcios. “No mais íntimo da criança está o medo de que os pais deixem de gostar dela. E esse medo pode manifestar-se de diferentes maneiras: medo do escuro, não querer ir para a escola, fazer chichi na cama.” Quando a separação não é consensual, os filhos podem sentir-se quase órfãos. Nenhuma criança reage bem a um divórcio. “No início é normal uma reacção adversa, mas, dependendo da atitude dos pais, as crianças devem conseguir ultrapassar e reorganizar-se em seis meses a um ano”, explica a psicóloga.

Os desenhos deram uma ideia a Kara Bishop. Fã do Post Secret, o site que publica postais com segredos, Kara pediu autorização ao seu criador e imaginou o Postcards from Splitsville. Este site disponibiliza uma cópia de um postal para imprimir e pede às crianças que não revelem o nome dos pais. Em breve os postais serão publicados num livro sobre as regras do divórcio. “Pedi aos miúdos que escrevessem aquilo que os pais podiam e não podiam fazer, e regras como ‘não me tornes um mensageiro’ e ‘não digas mal do meu pai’ aparecem sempre. Se ao menos conseguíssemos que os pais as cumprissem!” …”

(in: http://www.sabado.pt/Dossies-SABADO/Dossies-SABADO/Divorcio/Fotogaleria-(3).aspx )

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Liawolf



Feminino
Número de Mensagens: 598
Idade: 40
Data de inscrição: 12/03/2011

MensagemAssunto: Re: Divórcio: como contar às crianças pequenas   Dom Maio 01, 2011 10:59 am

Crying or Very sad
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
 

Divórcio: como contar às crianças pequenas

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
 ::  :: -